A casa que fabricava sonhos.

A rua era simples, toda feita em pedras azuis que cintilavam sob a luz do luar, o que dava um ar de mistério a pequena vila. As casas já começavam a ficar enfeitadas para as festas natalinas, os telhados já tinham luzes, os primeiros feitiços que conjuravam renas luminosas e as faziam sumir em pequenas explosões que alegravam a todos começavam a surgir.

As casas eram das mais diversas cores, alturas e modelos. Algumas eram grandes e vistosas, já outras eram minúsculas e discretas com pequenas portas que se alargavam na medida perfeita para quem fosse entrar e que logo em seguida encolhiam-se novamente. A visão de dentro das casas dependia do morador que ali residia. Essas diferenças eram reflexo da grande diversidade de moradores, afinal naquele lugar habitavam os mais diversos tipos de bruxos e seres mágicos, que viviam em perfeita harmonia. Alguns diziam que aquela rua era um lugar especial e que em todo o mundo mágico não havia nenhuma igual, pois dentro de algumas daquelas casas, sonhos eram construídos.

Uma casa em particular chamava atenção de quem ali passava. Ela ficava no final da rua, construída toda em nobre madeira negra com detalhes em diversos tons coloridos pintados a mão e tinha em volta uma cerca feita de madeira igualmente nobre. Dentro do jardim a grama era absolutamente verde e contrastava com vários pés de cerejeiras que estavam constantemente enfeitiçados para que as suas belas flores permanecessem intactas o ano todo. O pequeno balanço no jardim e alguns brinquedos espalhados pela grama mostravam que ali não era apenas uma casa comum, mas sim um lar de uma família. Logo na entrada havia uma ilustre placa, entalhada em madeira branca e detalhes em preto, com os seguintes dizeres: “Hocus Pocus – Artesãos de Varinhas e construtores de sonhos”.

A casa era habitada por três bruxos da mais nobre linhagem que se pode descrever, não só pela sua árvore genealógica, mas pela bondade de seus corações e almas. O artesão era um bruxo jovem que descendia de uma região rica em castelos e nobres feiticeiros do sul da Inglaterra, mas que se estabeleceu no Brasil após a migração de seus pais. Possuía olhos claros e trazia em sua pele várias marcas feitas em feitiços, para que ele sempre se recorde de coisas que o proporcionavam felicidade, de cabelos coloridos que mudavam de cor de acordo com seu humor o jovem bruxo mantinha no subsolo de sua casa um lindo atelier de varinhas, dali e através de suas mãos saiam as varinhas de melhor qualidade no mundo, varinhas essas que são elogiadas não só pela comunidade mágica, mas como também, por outros artesãos.

As encomendas eram muitas e exigiam fila de espera, já que esse artesão em particular conseguia fazer o impossível, ela tinha o dom de criar varinhas que tinham a capacidade de captar a essência de seu dono de um jeito único e particular.

As varinhas tinham propriedades distintas e nobres, dependendo do dono que iria obtê-la e da sua classificação elas eram feitas para que seu uso fosse pleno. O atelier era lustroso e cheio de vida, mas com uma particularidade, ali cada varinha era feita sem magia, tudo fabricado artesanalmente a mão e sem linha de produção, assim cada uma das varinhas era peculiar dentro do seu próprio universo mágico. É bem verdade que varinha escolhe o bruxo mas são os artesãos que fazem isso acontecer, e esse bruxo era um daqueles artesãos que sabia fazer isso.

E antes que vocês me perguntem como esse bruxo conseguia fazer tudo isso sozinho, eu vos digo, ele não estava só. Ele tinha na sua vida a sua bela esposa, mas de todos os adjetivos que lhe posso conceder, o fato dela ser esposa é apenas um detalhe.

Ela era uma bruxa de poderes incríveis e lendários, tinha um tom de pele claro, rosto de feições belas e delicadas, olhos negros como o universo, seus cabelos curtos que mudavam de cor de acordo com as estações do ano refletiam a grande força de sua magia.

Ela descendia de uma região conhecida pela presença de elfas e sereias no norte da Escócia e em sua trajetória viajou por terras longínquas em busca de conhecimento mágico. Possuía o dom de dominar a força da velocidade e comunicação, era sempre gentil e disposta a ajudar aqueles que ela reconhecia ter bom coração.

Dentro da casa ela possuía seu escritório, uma ampla sala em formato oval construída de madeira de pau-brasil, com várias entradas e saídas por onde chegavam cartas, tucanos, corujas, berradores e todo tipo de comunicação mágica. Nas mesas ficavam posicionadas bolas de cristais, ampulhetas e também runas das mais diversas culturas, objetos que faziam parte de seu aparato para conseguir estabelecer todas as ligações necessárias para as realizações das vendas e distribuições de varinhas.

Dessa união incrível, nasceu a pequena Lily, a terceira integrante dessa família tem olhos lindos como mar, cabelos claros, sorriso singelo e sinceridade em todas as vezes que suas emoções ficam refletidas em seu semblante. Possui o tamanho de um elfo livre e por isso é chamada assim por muitos, mas na realidade essa pequena bruxa ainda será uma das pessoas mais brilhantes que nosso mundo já viu, ela só ainda não descobriu isso, afinal nem poderia, a pequena Lily está constantemente ocupada fazendo seus brinquedos voarem pela sala, escrevendo e pintando as paredes da casa, que graças a magia são autolimpantes. Vez por outra, se você olhar pela janela da casa conseguirá ver ela sumindo com uma das varinhas já embaladas de seu pai ou tentando devorar uma das runas de sua mãe.

Mas aqui vai um conselho meu, se for olhar pela janela não permita que ela lhe veja, a pequena tem um jeito único de cativar a todos que a conhecem e você corre sério risco de querer passar horas e horas brincando com ela. Se você tiver a sorte dela não lhe ver, faça como eu fiz, observe tudo, guarde a experiência em seu coração e siga seu caminho na certeza que naquela casa, mesmo nas grandes adversidades, a felicidade existe.

 

“Com todo Carinho e gratidão pela Hocus Pocus.”

 

 

 

____________________________________________

Esse texto foi um surpreendente presente da nossa cliente e agora querida amiga:

 

Renata Janine T.S

Subdivisão de Segurança Mágica.

Ministério Da Magia – Subseção Cariri – CE.

conheça a nossa família

Hocus Pocus - Magia é o nosso negócio

Fortaleza - CE

Email: hyagovianacontato@gmail.com

  • Instagram - White Circle
  • Facebook - Círculo Branco
  • YouTube - Círculo Branco